Este slideshow necessita de JavaScript.

O artista apropria-se de um caderno escolar para explorar questões entre liberdade, conhecimento e produção artística. Num jogo de ilusões, sobrepõem-se uma folha pautada e um céu, elementos já trabalhados anteriormente e que abrem novas possibilidades interpretativas.

Luis Camnitzer [Uruguai, nascido em Lubeck, Alemanha, 1937] vive e trabalha em Nova York. Representado pelas galerias Alexander Gray; Parra & Romero. Individuais recentes: Reina Sofía [Madrid, 2018]; Short Stories, Alexander Gray [New York, 2017]; Dibujos, Parra & Romero [Madrid, 2016]. Participou da La Biennale di Venezia [1988]; da Bienal de São Paulo [1996]; da Documenta, Kassel [1982, 2002, 2006].

***
Folhas pautadas, capa azul, etiqueta branca de borda vermelha e carimbo. Elementos presentes nos mais tradicionais modelos de cadernos brasileiros são apropriados por Camnitzer para receber suas Anotações.
Michael Glasmeier1, ao comentar a obra Documenta Projekt (2002), instalada na Documenta 11 de Kassel, conclui que obras como aquela, de grande abertura interpretativa, constituem um ensinamento poético, capaz de alfabetizar com impulso renovado a nossa percepção e o nosso pensamento.
A obra consistia em uma sala branca com um varal, onde estava uma toalha imóvel (coberta de cimento), um pequeno ventilador, desligado, e o som do vento, além de uma porta, que se apresentava camuflada na parede ou, de alguns ângulos, como um céu.
A conclusão de Glasmeier se dá não só pela apreciação in loco, mas a partir da própria descrição de Camnitzer no catálogo em comemoração aos 50 anos da mostra: “Uma interpretação considera a obra exposta, objetos que desde então jogam com a linha entre realidade, fantasia e memória, como o trabalho de um artista que se crê livre, como um sinal de que ele se esforçou para a originalidade. Em vão, entretanto, porque ele está enredado em clichês estéticos, e questões estilísticas. A segunda leitura percebeu a instalação como uma evocação ao universo de um preso político. Os objetos seriam alucinações de liberdade. Outro fracasso uma vez que o autor – tanto o prisioneiro como o artista – permanece irrevogavelmente enjaulado na aguda consciência de sua cela.” 2
Já o artista cubano Antonio Eligio (Tonel)3 entende algumas obras de Luis Camnitzer como auto-retratos (para além da própria série Selfportrat, 1970, 1972, 1972). Entre elas, The Book of Holes (1977). Para esse enendimento, defende ser necessário conhecer a fisionomia do artista, já que uma das três imagens que compõem essa obra traz Camnitzer segurando o contorno de um livro em metal. As duas outras imagens são da mesma silhueta emoldurando o céu. A performance que encontramos na obra não está apenas no gesto, mas na capacidade desse discreto livro mínimo absorver a paisagem que presencia: fagocitar todo o seu entorno. Mas é um livro lacunoso, impossibilitando, assim, seu real preenchimento. Conclui, pois, que o livro serve, em verdade, como guia, como filtro para editar ou compor uma realidade do sujeito leitor.
Essas leituras nos ajudam a concluir que é impossível anotar qualquer interpretação estática, imutável ou finita, tanto de uma obra de arte como de uma dada realidade. Isso é o que nos oferece as Anotações de Luis Camnitzer, a serem preenchidas – ou não – pelas limitadas ou infinitas interpretações do leitor.

1 Michael Glasmeier. “The Gracián-Cervantes Impulse: Luis Camnitzer’s Pedagogical Pradigm”. In herzog, Hans-Michael (Ed.). Luis Camnitzer. Zurique: Daros, Ostfildern: Hatje Cantz, 2012, pp. 173-174.
2 “Luis Camnitzer”. In glasmeier, michael (Ed.) 50 Jahre/Years documenta: 1955-2005. Diskrete Energien / Discreet Energies (catálogo de exposição). Göttingen: Kunsthalle Friedericianum Kassel, 2005, pp. 47. Tradução nossa.
3 Antonio Eligio (Tonel). “Luis Camnitzer: The Hand That Holds the Horizon”. In herzog, Hans-Michael (Ed.). Luis Camnitzer. Zurique: Daros, Ostfildern: Hatje Cantz, 2012, pp. 198-199.

 

Anotações

Luis Camnitzer

2015

ISBN 9788567769059
100 páginas
20 x 27 cm
Português/Inglês
450 exemplares
R$ 120,00
[50 exemplares especiais:
capa dura, numerados e assinados]

500 exemplares, sendo 50 com encadernação especial, numerados e assinados pelo autor.

R$ 120,00 [tiragem de 450 unidades]

[tiragem especial, numerada e assinada, de 50 unidades. Para adquirir, escreva para contato@ikrek.com.br]