Este slideshow necessita de JavaScript.

O artista investiga conexões entre escrita, imagem e política. O uso de publicações é recorrente em seu trabalho. Em Não, trata da história da informação e da expressão no Brasil, desde as tipografias clandestinas e a chegada da família real portuguesa até as manifestações de 2013 no Brasil.

Fabio Morais [São Paulo, 1975] vive e trabalha em São Paulo. Representado pela galeria Vermelho. Individuais recentes: Escritextpográfica, Vermelho [São Paulo, 2017]; Palavras são coisas, Oficina Cultural Oswald de Andrade [São Paulo, 2013]. Participou da Bienal de São Paulo [2010]; e da Bienal do Mercosul [Porto Alegre, 2011].

***

Fabio Morais, que tem o livro como base de suas investigações artísticas, foi convidado a inaugurar a série “ponto e vírgula”. Em um exercício de referência à história da impressão (e da expressão) no Brasil, Fabio escreve textos, reúne referências e cria diálogos que cobrem o tema desde o século XVIII – com a possível chegada de tipografias ao país, passando pela proibição de suas instalações, até a autorização concedida em 1808, com a transferência da Corte portuguesa para o país – até a censura instituída pelo golpe de 1964, chegando aos anos 2000, onde torna evidente a comunicação instantânea dos novos meios.
Fabio começa essa obra subvertendo a própria organização física do livro: o texto já se inicia na capa, ocupa algumas páginas do miolo, sem numeração, para então dar lugar a imagens. Essas imagens constituem um diálogo: para acompanhá-lo, o leitor deve “ir e voltar” pelo livro, uma vez que as páginas estão baralhadas. O fim desse exercício leva ao que seria a capa do livro, na dupla central, com a resposta à última pergunta do diálogo: não. Findo o diálogo, o texto é retomado, para então terminar na quarta capa.

Não

Fabio Morais

2014

série ponto e vírgula

ISBN 9788567769004
128 páginas
15,5 x 23 cm
Português
300 exemplares numerados
Esgotado